MPPA acompanha caso dos “maníacos de Marituba”

Um adolescente foi apreendido e ficará internado, adulto já está preso preventivamente, a pedido das promotoras que atuam no caso
Marituba 14/01/20 12:33

A Justiça estadual decretou nesta terça-feira a internação provisória do adolescente apreendido pela Polícia Civil como responsável pelos recentes casos de estupro e roubo e pela morte de uma jovem ocorrida no município de Marituba.

Duas representações requerendo a internação foram protocolizadas pelo Ministério Público do Estado no final da tarde desta segunda (13), por meio da 1ª promotora de Justiça da Infância e Juventude de Marituba, Léa Mouzinho da Rocha. Uma representação refere-se aos crimes de estupro e roubo e a outra a latrocínio. Uma nova representação ainda será apresentada, hoje ou amanhã, assim que a promotoria receber os documentos referentes a uma terceira vítima.

O depoimento do adolescente responsável pelos casos foi colhido na Promotoria de Marituba no início da tarde desta 2ª feira (13). Em seu depoimento perante o Ministério Público o adolescente confessou o estupro e roubo de duas vítimas, bem como a lesão corporal e roubo de uma terceira vítima. Em relação ao homicídio da quarta vítima, disse que apenas ajudou a atrair e a esconder o corpo.

Após avaliar os fatos apurados pela Polícia Civil e o depoimento do adolescente, a promotora de Justiça Léa Rocha definiu por protocolizar três representações, sendo duas por estupro e roubo e uma por latrocínio, requerendo à Justiça seja decretada a internação provisória do adolescente até o final dos três processos, bem como a celeridade processual do caso. 

Segundo apurado até o momento pelas autoridades policiais, no período de 4 a 11 de janeiro, pelo menos quatro jovens foram atraídas pelo adolescente e pelo adulto Jederson Menezes Alves. O adolescente, que já possui antecedentes, foi apreendido pela polícia em Marituba na sua própria casa, No local foram encontrados uma motocicleta, celulares e uma bicicleta.

As vítimas trabalhavam oferecendo serviços de estética pelas redes sociais. Os dois investigados criaram um perfil feminino falso e se passavam por clientes, marcando um local público para os encontros.

Nesse momento o adolescente chegava de bicicleta ou moto e se dizia esposo da cliente ou mototaxista de confiança designado pela cliente para levar a profissional de beleza até a residência onde ocorreria o atendimento estético. Durante o percurso até a suposta residência as vítimas eram atacadas e levadas para o mato, onde ocorriam as agressões, estupros e roubos.

MPPA requer preventiva

A promotora de Justiça Criminal de Marituba Mônica Melo da Rocha requereu a prisão preventiva do adulto investigado de participação nos crimes, Jederson Menezes Alves, devido a gravidade dos fatos e o histórico de envolvimento em outros crimes. A Justiça deferiu o pedido do Ministério Público.

 

Texto: Assessoria de Comunicação
Foto: Site da Polícia Civil/PA

 

 

Fale Conosco