Técnicas para entrevistar e detectar mentiras vão fortalecer o MPPA

Avaliação é de procuradores, promotores de Justiça e servidores após curso com especialista que já treinou a SWAT e o FBI
Belém 17/02/20 17:28

Identificar uma mentira pode ser decisivo na hora de o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) avaliar se uma pessoa é inocente ou culpada de uma acusação. Pode até soar simples, mas reconhecer uma história falsa requer habilidades específicas. Para desenvolver este conhecimento, procuradores e promotores de Justiça e servidores da instituição participaram, nesta segunda-feira (17), do início de um curso para aprimorar técnicas de entrevista e detecção de mentiras. 

Confira a galeria de fotos do curso. 

O curso “Técnicas de entrevista, interrogatório e detecção de mentiras aplicado às funções do Ministério Público” foi organizado pelo Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional (Ceaf), do MPPA, e ocorreu no auditório Nathanael Farias Leitão, no edifício-sede da instituição, em Belém. A programação continua nesta terça-feira, a partir das 8h30. 

O professor Thompson Cardoso, especialista no assunto que já treinou profissionais do Departamento Federal de Investigação do Estados Unidos (FBI), Unidade de Polícia Especializada de Los Angeles (SWAT) e membros da Polícia Metropolitana de Londres (Scotland Yard), coordenou a capacitação. Ele acumula quase 40 anos de experiência na atividade.

Professor Thompson Cardoso e servidora Bethânia Vinagre: exercício para o aprimoramento de técnicas
Professor Thompson Cardoso e servidora Bethânia Vinagre: exercício para o aprimoramento de técnicas
Foto: Alexandre Pacheco/Ascom MPPA

Os membros e servidores do MPPA aprenderam técnicas práticas para identificar se o interlocutor está de fato falando a verdade. Logo na abertura, Thompson Cardoso destacou que os integrantes do Ministério Público devem, na execução das atividades ministeriais, prezar por realizar entrevistas, e não interrogatórios. Ele também trabalhou formas de analisar discursos, compreender indicadores de veracidade e colher informações de qualidade durante uma conversa. 

“Todo mundo mente. Por diferentes motivos. Precisamos aprender a filtrar a mentira e identificar as informações que ajudem a produzir convicções”, comentou o professor Thompson Cardoso. Ele utilizou várias dinâmicas com os participantes. Em um dos exercícios, membros e servidores foram desafiados a assistir a depoimentos presenciais e em vídeo e avaliar se a história era verdadeira ou falsa. Muitos dos testes surpreenderam os participantes. 

“Achei bem difícil detectar algumas mentiras no começo, mas depois vamos aprimorando e conseguindo ver detalhes que nos mostram que a pessoa está mentindo”, disse a promotora de Justiça Liliane Carvalho Rodrigues, titular da Promotoria de Justiça de Paragominas. “É muito importante a gente conseguir visualizar nos gestos físicos e também nas respostas, na forma como respondem, atentar para os sinais. A gente acaba desmistificando conceitos que a gente acha que sabe, mas vê que não sabe”, completou.

Promotores de Justiça Liliane Carvalho e Lauro Freitas se manifestam durante a capacitação
Promotores de Justiça Liliane Carvalho e Lauro Freitas se manifestam durante a capacitação
Foto: Alexandre Pacheco/Ascom MPPA

Fortalecimento institucional

Na abertura do evento, o promotor de Justiça Tulio Noves, diretor de Publicações do Ceaf, destacou que o curso desta segunda-feira foi mais uma iniciativa para qualificar e fortalecer a atuação do MPPA, sobretudo em atividades como a instrução de processos e o tribunal de júri, em que o membro do Ministério Público pode aplicar as técnicas para jogar luz sobre informações prestadas por um suspeito ou réu. 

Titular da Promotoria de Justiça de Colares, o promotor de Justiça Rui Barbosa Lamim valorizou as técnicas repassadas no curso. “O Ministério Público tem um viés investigativo óbvio, tanto na fase pré-processual como na fase processual. É muito importante capacitar os membros para produzirmos um trabalho mais qualificado e decisivo para a sociedade, evitando a condenação de inocentes ou a absolvição de culpados”, avaliou. 

“É um curso que veio para aprimorar o que já se faz na vivência de cada membro do MPPA. No dia a dia vivemos essa dúvida entre verdade e mentira. Com esses detalhes temos mais elementos para buscar o que a lei fala, que é a verdade real dos fatos. Nada melhor que usar a ciência e a técnica para aplicar a justiça verdadeira”, reformou o promotor de Justiça Edivar Cavalcanti, titular da Promotoria de Justiça de Execuções Penais, Penas e Medidas Alternativas de Belém.

Membros e servidores tiveram participação ativa durante o curso de detecção de mentiras
Membros e servidores tiveram participação ativa durante o curso de detecção de mentiras
Foto: Alexandre Pacheco/Ascom MPPA

Continuação

O curso “Técnicas de entrevista, interrogatório e detecção de mentiras aplicado às funções do Ministério Público” continua nesta terça-feira (18), a partir das 8h30, novamente no auditório Nathanael Farias Leitão, no edifício-sede do MPPA. Para este segundo dia estão previstos novos exercícios e metodologia para auxiliar membros e servidores do MPPA a extrair informações de qualidade de uma entrevista e reconhecer histórias falsas.

   

Texto: Fernando Alves
Assessoria de Comunicação Social

 

Fale Conosco